Header Ads

Com Zinho em reforma, Águia estima prejuízo em torno de R$ 20 mil por jogo


O estádio Zinho de Oliveira deveria ter sido palco da estreia do Águia no campeonato paraense de 2018. Deveria! Os atrasos nas obras de troca do gramado fizeram com que o time pegasse o Castanhal, na primeira rodada, no Rosenão, em Parauapebas. A preocupação é ainda maior porque não há previsão para a conclusão dos trabalhos.

O presidente do Azulão, Sebastião Ferreira Neto - o Ferreirinha -, conversou com a reportagem do Portal ORM e revelou que cada partida longe de Marabá representa uma despesa de cerca de R$ 20 mil, o que representa 1/3 da folha mensal dos jogadores.

'Fizemos uma folha salarial de R$ 60 mil justamente para não sofrermos financeiramente. Para cada partida, tínhamos a expectativa de ter um lucro de algo em torno de R$ 10 mil, mas isso seria se fosse no Zinho. No jogo contra o Castanhal tivemos uma despesa de R$ 12 mil, com transporte, hospedagem e alimentação, coisa que não teríamos que pagar aqui em Marabá, no Zinho. Ou seja, se você pegar o que deixamos de arrecadar com o que tivemos que gastar dá um prejuízo de cerca de R$ 20 mil', falou.

A despesa deve aumentar ainda mais daqui a dez dias. O Águia tem o mando de campo no jogo contra o Parauapebas, no dia 27, mas, sem o Zinho, pode acabar tendo que jogar em Tucuruí. 'Estamos vendo com a Federação Paraense de Futebol se conseguimos fazer uma inversão de mando com o Parauapebas. Nesse caso, jogaríamos este primeiro jogo no Rosenão e, no segundo turno, viria para o Zinho de Oliveira. Mas, se não der certo, teremos que ir a Tucuruí ou levar o jogo para o Mangueirão', contou.

Existe a expectativa de que o processo de aplicação de toda a grama aconteça até amanhã. 'Isso ainda é o início de tudo, porque, depois de colocar a grama, ainda farão toda a questão da adubação e fixação ao solo. Estamos esperando, porque não tem outro jeito. Já furaram todos os prazos. Sempre que vamos procurar saber é uma desculpa diferente', falou indignado.

A obra é feita pela Prefeitura de Marabá e a grama sai do município de Vigia para Marabá de carreta. O Portal ORM tentou contato com a prefeitura e com a Sevop (Secretaria de Viação e Obras Públicas) para tratar do assunto, mas não foi atenido.

ORM
20/01/2018

Nenhum comentário

+ Lida da semana

Tecnologia do Blogger.